Publicações

Infecção Urinária, como prevenir?

Confira dicas de como prevenir as infecções urinárias!

               Você já teve infecção urinária e tem receio de ter novamente? Calma, é possível previni-las.  A infecção urinária é toda e qualquer infecção provocada por micro-organismos que afete o trato urinário. Uretra, bexiga e rins são os principais efetados e as infecções recebem os nomes de uretrite, cistite e pielonefrite. Este problema pode ser causado por diversos micro-organismos e só conseguimos ter a confirmação após averiguarmos os resultados de exames laboratoriais. A bactéria Escherichia coli é considerada a principal causadora da infecção, produzida no nosso próprio intestino.

A infecção de urinária é comum?

É considerada um problema comum que afeta homens e mulheres de qualquer idade, inclusive crianças. Pode ser mais freqüente em mulheres, devido a uretra mais curta e mais próxima ao ânus, local foco de bactérias. Estatísticas mostram que toda mulher terá pelo menos 1 infecção de urina ao decorrer de sua vida, portanto, vale a pena conferir as dicas de como evitá-las.

Fatores de risco ao surgimento de infecção urinária

Pessoas com diabetes descontrolada pelo fato de estarem com a taxa de glicose no sangue muito elevada, possuem a urina com teor de açúcar diferente, tendo mais riscos de desenvolver infecções. Os homens depois dos 50 anos, devido ao crescimento da próstata, retêm urina em suas bexigas, aumentando as chances da infecção. Por outro lado, mulheres após os 45 anos, no inicio da menopausa, em que ocorre uma baixa hormonal, também fica mais suscetível a infecção.

Durante o sexo, a uretra sofre atritos (comuns, inevitáveis) e se torna mais sensível a desenvolver infecções, por isso recomenda-se urinar após a relação.

Principais sintomas da infecção urinária:

– ardor ao urinar;

– frequência de idas ao banheiro (durante o dia ou noite);

– sensação de não esvaziamento da bexiga;

– sangue na urina;

– dor no púbis;

– cor e odor forte na urina.

Dicas de como prevenir a infecção urinária:

– tomar ao menos 2 litros de água por dia;

– urinar após a relação sexual;

– esvaziar a bexiga a cada 2 ou 3 horas sem segurar o xixi;

– tratar doenças crônicas consideradas fatores de risco às infecções;

Tratamento da infecção urinária:

O tratamento da infecção de urina pode exigir o uso de antibióticos, definidos pelo médico após a realização de exames em que será identificada a bactéria causadora da infecção.

Deseja saber mais informações? Agende já uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clicando aqui. 

 

As 5 principais dúvidas sobre a Cirurgia de Vasectomia

A cirurgia de Vasectomia é mais simples que muitos dos homens imaginam. Confira abaixo as principais dúvidas sobre o tema.

1- Como escolho o médico para fazer a minha cirurgia de Vasectomia?

O profissional escolhido deve ser um médico Urologista, devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM) e na Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). Estas informações podem ser conferidas acessando o site http://portal.cfm.org.br/

Importante também você se identificar com o perfil do profissional e pesquisar sua experiência na realização da cirurgia de vasectomia. Desta forma, ele te transmitirá tranquilidade cirúrgica e uma boa orientação pós-operatória.

2-Onde posso realizar a minha cirurgia de Vasectomia?

A cirurgia de Vasectomia geralmente é realizada em centro cirúrgico ambulatorial adequadamente equipado, sem necessidade de internação hospitalar e com profissionais qualificados. A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que a vasectomia seja feita apenas por profissionais que também sejam qualificados para realizar a cirurgia de reversão de vasectomia.

3-Quem pode fazer a cirurgia de Vasectomia?

De acordo com a Lei brasileira do Planejamento Familiar, podem fazer a cirurgia de vasectomia homens que tenham dois ou mais filhos vivos ou homens maiores de vinte e cinco anos de idade, que tenham manifestado o desejo de fazer a cirurgia há mais de 2 meses. A vasectomia é um procedimento cirúrgico simples e praticamente indolor, mas o paciente deve saber que se trata de um método anticoncepcional definitivo. Mesmo existindo a possibilidade de fazer a reversão da vasectomia, não há 100% de sucesso para recuperar a fertilidade com este ou outros tratamentos.

4-A cirurgia de Vasectomia modifica a potência sexual do homem?

NÃO! O procedimento apenas interrompe o canal deferente presente na bolsa escrotal, distante dos nervos e artérias utilizados na ereção masculina. Vale lembrar que o pênis e os testículos não são envolvidos na cirurgia de vasectomia.

5-O procedimento é doloroso? Vou sentir dores após o efeito anestésico?

A cirurgia da vasectomia é feita com anestesia local na bolsa escrotal. Antes de aplicar a anestesia, utilizamos um gel anestésico para amenizar o desconforto da aplicação, tornando o procedimento praticamente indolor. Após a cirurgia orientamos fazer compressas com gelo e usar medicamentos analgésicos caso o paciente tenha desconforto local.

Deseja saber mais informações? Agende já uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clicando aqui. 

 

Cálculo Renal, tudo que você precisa saber !

Cálculo Renal, tudo que você precisa saber !

Você sabia que cerca de 8% das mulheres e 15% dos homens vão apresentar cálculo renal em algum momento de suas vidas? Por isso é importante você conhecer mais sobre este problema! Primeiramente é importante diferenciar o sintoma da causa. O cálculo renal, conhecido popularmente como pedra nos rins, é considerado um sintoma, uma consequência de uma doença responsável pelo seu aparecimento. Logo, é preciso investigar o paciente e entender as causas e origens da doença, evitando recidivas.

Como é a dor da cólica renal?

A dor da cólica renal ocorre quando o cálculo (pedra)  migra do rim para o ureter. Esta pedra passa a obstruir o fluxo de urina, aumentando a pressão intra-renal. Os rins ficam mais dilatados, o que chamamos de hidronefrose e com isto vêm as dores. As dores são do tipo cólica de forte intensidade, na região lombar, podendo irradiar para outras áreas como abdome e genitais. Náuseas e vômitos são comuns em pacientes com dor intensa.

Qual o tratamento do cálculo renal?

O tratamento será determinado de acordo com o tamanho e a localização da pedra. No caso de cálculos pequenos, muitas vezes a ingestão de líquidos junto a analgésicos para diminuir a dor são suficientes. Pedras maiores devem ser tratadas com procedimentos cirúrgicos.

Algumas dicas para prevenir a recidiva do cálculo renal:

– Ingerir de 2 a 3 litros de água por dia (sua urina deve estar clara e límpida), principalmente ao realizar atividades físicas, pois pode ocorrer a desidratação

– Utilize pouco sal no preparo dos alimentos e dê preferência a temperos naturais (cebola, alho, limão, cebolinha, coentro, salsa, entre outros)

– Não há necessidade de se reduzir a ingestão de leite e seus derivados, pois na maioria das vezes não existe relação prejudicial entre o cálcio alimentar e a formação de cálculos

– Consuma com moderação: café, chocolate, chá preto ou mate, espinafre, nozes e frutos do mar. Estes alimentos são ricos em oxalato (substância que forma o cálculo).

Caso você esteja com dores que se assemelhem a cólica renal, interrompa o consumo de líquidos e procure imediatamente um hospital.

A equipe do  Dr. Felipe Delgado poderá ser acionada prontamente no Pronto Socorro do Hospital Santa Paula.

Deseja saber mais informações? Agende já uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clicando aqui. 

 

A Cirurgia de Fimose é uma boa opção para mim?

Entendendo melhor a fimose!

A fimose é caracterizada pela dificuldade ou até impossibilidade de expor a glande (cabeça do pênis) do homem. Isto ocorre porque o prepúcio (pele que recobre a glande) tem um anel demasiadamente estreito ou simplesmente pelo excesso de pele no local. Esta condição geralmente incomoda bastante crianças, adolescentes e adultos. Sim, adultos também têm fimose! A glande se torna mais sensível e com dificuldade na higienização, aumentando as chances de infecções e inflamações. Além disso, sabe-se que outras complicações da fimose são: ejaculação precoce, HPV e o câncer de pênis

Quais os tratamentos possíveis para a Fimose?

A cirurgia de Fimose, também conhecida como postectomia, é a forma mais adequada de tratar a fimose do adulto. É considerada como um tratamento definitivo, pois além de retirar o anel fibrótico, também é retirado o excesso de pele. A fimose pode causar sintomas em alguns pacientes, entre eles: dor ao urinar, ardência, acúmulo de secreções, inchaço, dor e desconforto durante as relações sexuais. Ao eliminar esta condição, o paciente terá uma melhor higiene local, além de possibilitar uma vida sexual mais satisfatória.

Vale lembrar que não são feitos cortes ou injeções na glande. Após o procedimento ocorre a redução do excesso da sensibilidade da glande, postergando o tempo para ejaculação na relação sexual. Muitas vezes esta redução do excesso da sensibilidade após a cirurgia já é o tratamento da ejaculação precoce.

Outra forma de tratar a fimose são com cremes tópicos, utilizados na fimose congênita, da criança.

Como funciona a Cirurgia de Fimose?

É considerada uma cirurgia simples e praticamente indolor. É utilizado creme anestésico antes da anestesia local para evitar desconfortos no paciente.

Dica importante:

Não é indicado fazer “exercícios ou massagens” para ajudar a “abrir” o anel da pele, pois isto pode causar microtraumatismos com dor, inflamação local e até sangramentos, e a cicatrização pode agravar o estreitamento da pele.

No CBU, realizamos a cirurgia de fimose em nossos centros cirúrgicos, equipados e estruturados para oferecer segurança e conforto ao indivíduo.

Os cuidados pós operatórios são tão importantes quanto a cirurgia e por isso fazemos o acompanhamento de cada paciente até sua completa recuperação.

Deseja saber mais informações? Agende já uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clicando aqui. 

 

Como é feita a Cirurgia de Reversão da Vasectomia?

Confira todas as informações sobre a Cirurgia de Reversão da Vasectomia!

Em clínica, indica-se vasectomia para homens que decidiram, junto às suas parceiras, não ter mais filhos. Porém, com as mudanças circunstanciais da vida, este mesmo paciente pode se arrepender e desejar ser pai novamente. E então, o que ele deve fazer? Quais são as suas alternativas? Certamente, a cirurgia de reversão da vasectomia será uma das alternativa recomendada, mas não deixe de perguntar ao seu Urologista!

Entenda melhor como é feita a cirurgia de reversão da vasectomia!

A cirurgia de reversão da vasectomia leva de 2 a 3 horas e é realizada em clínicas médicas com infra-estrutura cirúrgica ou em hospitais. Nesta cirurgia, o cirurgião-urologista faz uma pequena incisão (de 3 a 4 cm) na bolsa escrotal, localizando a área onde foi realizada a vasectomia nos canais deferentes,  para então religá-los. Este procedimento cirúrgico é executado com material especial, de micro cirurgia, fazendo uso de fios especiais de sutura (ultra finos) e microscópio.  Em seguida, o médico realiza a sutura da pele com pontos que cairão sozinho após 7 a 10 dias.

Quais são as chances de sucesso da cirurgia de reversão da vasectomia? O que pode influenciar para um bom resultado?

Sabe-se que o homem que realiza a cirurgia de reversão não possui 100% de chance de ser pai novamente. A presença de espermatozóides no conteúdo ejaculado poderá ser detectada pelo exame de espermograma, em que o médico Urologista solicitará nos meses seguintes. A quantidade de espermatozóides varia de acordo com o tempo de realização da vasectomia.

Outros fatores que podem influenciar o bom resultado da cirurgia são a experiência do cirurgião-urologista, o local de ligadura do canal deferente na vasectomia e fatores anatômicos locais.

Após uma cirurgia de reversão da vasectomia bem-sucedida, em quanto tempo a mulher poderá engravidar? E em quanto tempo o casal poderá voltar a ter relações sexuais?

Recomenda-se um período de 2 semanas, após a cirurgia, para o casal retornar a sua atividade sexual. Em relação ao espermograma, o exame poderá ser feito após 1 mês de cirurgia e estudos mostram que cerca de 50% das mulheres engravidarão no primeiro ano, nos casos bem sucedidos da reversão. Consulte sempre um Urologista!

Para agendar uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clique aqui. 

Por que todo homem deveria frequentar um Urologista?

O Urologista é o médico do homem da adolescência à senioridade. Entenda porquê!

A mulher frequenta o profissional Ginecologista desde o momento de sua primeira menstruação, buscando entender as transformações do seu corpo e buscar orientações. Infelizmente,  isto não acontece da mesma forma com os meninos de 15 a 19 anos. Mesmo com os sinais de inicio da puberdade, o adolescente do sexo masculino não tem o costume de visitar regularmente um Urologista e acaba desamparado em avaliações médicas, inclusive com pouca orientação na prevenção de DSTs.

É preciso quebrar os preconceitos e enfrentar com mais naturalidade a ida ao Urologista. Este profissional pode auxiliar em diversos aspectos a saúde do homem, nas suas mais diversas faixas etárias da vida.

Quando procurar um Urologista?

Na infância e adolescência, o médico Urologista poderá tratar doenças comum a esta idade, como a fimose, a varicocele, mas também atuar de forma preventiva e educacional com o jovem. Doenças sexualmente transmissíveis  e gravidez indesejada podem ser evitadas com informação e tratadas, no caso de diagnóstico presente. Qualquer sinal sugestivo a um câncer também pode ser investigado com exames clínicos e laboratoriais, possibilitando mais chances de cura no tratamento.

Na vida adulta, o homem poderá procurar o seu Urologista para tratamentos de fertilidade, ejaculação precoce, DSTs, casos de crises renais, para realizar uma cirurgia de vasectomia ou de reversão da vasectomia, monitoramento da próstata e no tratamento de doenças urológicas de forma geral. 

O ideal é que o Urologista seja visto pelos homens, independente de sua idade, como o médico que poderá lhe acompanhar por toda a vida. Agir de forma preventiva é essencial no controle da saúde masculina.

Consulte sempre um Urologista!

Para agendar uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clique aqui. 

Tamanho do Pênis, quando buscar ajuda?

O tamanho do pênis é tema de preocupação para muitos homens! Entenda melhor!

A preocupação com o tamanho do pênis acompanha os indivíduos do sexo masculino desde a sua adolescência. Vídeos eróticos, sites e conteúdos pornográficos criam ilusões e idealizações equivocadas na mente destes homens. O resultado? Descontentamentos e frustrações desnecessárias motivados por fantasias de que não serão aceitos por suas parceiras.

Pesquisas realizadas com mulheres mostraram que mais de 90% delas estavam satisfeitas com o tamanho do órgão genital de seu parceiro. E mais que isso, os dados coletados mostram que a circunferência (espessura) do pênis, na maioria das vezes, é mais importante na estimulação sexual da mulher que o comprimento! O clitóris feminino, local de muitas terminações nervosas e por isso fundamental para o orgasmo da mulher, pode ser estimulado de diversas formas, não apenas com a penetração. Veja como o tema do tamanho do pênis é controverso e predominantemente psicológico por parte dos HOMENS!

Qual seria o tamanho considerado normal de um pênis de um adulto?

Entende-se por tamanho normal o pênis de 10 a 17 cm em ereção e que menos de 3% da população masculina esteja fora da média, para mais ou para menos. A grande maioria dos homens tem o pênis normal e suas inquietudes são desnecessárias. Apenas uma minoria necessitará de auxílio psicológico e urológico.

Fique atento a soluções milagrosas e enganadoras, como aplicações de produtos e estimulações. Além de sem eficácia, podem gerar malefícios a sua saúde sexual. Se desejar investigação, busque por profissionais especialistas, ou seja, médicos Urologistas com CRM e título de especialista.

Em quais casos a cirurgia de aumento peniano é válida?

A cirurgia para aumento peniano deve sempre ser considerada a última opção de tratamento, pois o resultado nem sempre é o esperado, podendo ainda surgirem deformidades que acabam influenciando a ereção.

Uma opção razoável de cirurgia seria para o homem que já apresenta uma disfunção erétil refratária, muitas vezes associada ao descontentamento pelo tamanho peniano. Nestes casos, a colocação de próteses penianas proporcionariam discreto aumento e principalmente maior tumescência.

O que é o micropênis?

 O micropênis, geralmente diagnosticado na infância é um problema de difícil resolução, geralmente ligado a deficiências hormonais, hormônio do crescimento ou gonadotrofinas e algumas síndromes. Esporadicamente não encontramos o fator que desencadeou a doença. O tratamento requer equipe multidisciplinar com endocrinologista, psicólogo e urologista.

Consulte sempre um Urologista!

Para agendar uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clique aqui. 

Principais causas da Infertilidade Masculina

Conheça as causas da Infertilidade masculina

Cerca de 15% dos casais não conseguem engravidar, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). O problema é considerado quando o casal não consegue chegar a gravidez após um ano de tentativas, com sexo ativo, sem o uso de métodos anticoncepcionais.

Quando o casal apresenta este problema, ambos devem ser investigados, com o apoio de um médico Urologista e Ginecologista. Sabe-se que as causas são igualmente distribuídas entre os sexos e que também existem casos em que os dois indivíduos possuem problemas a serem tratados.

Causas da Infertilidade Masculina

Existem homens que nascem inférteis, por fatores genéticos e aqueles que se tornam inférteis por alguma doença, infecção ou estilo de vida. A caxumba é um dos exemplos de infecção que pode tornar o homem infértil e a varicocele (varizes na região escrotal) é a principal doença masculina causadora da infertilidade. Podemos citar outras causas como as infecções seminais, as obstruções do epidídimo, a criptorquidia (testículos fora da bolsa testicular), a falência testicular primárias e as disfunções hormonais.

Causas psicológicas e situações de estresse também podem atrapalhar as tentativas de engravidar. Nestes casos, o tratamento pode exigir a participação de um psicólogo ou psicanalista para atuar de forma eficaz no controle da ansiedade e emoções envolvidas no processo. Outros profissionais da área da saúde podem ser atrelados ao tratamento multidisciplinar, quando o problema está relacionado ao estilo de vida do paciente. Sabe-se que o tabagismo, o uso de drogas e medicamentos específicos e a obesidade são fatores que prejudicam a produção e a qualidade dos espermatozóides, podendo levar a infertilidade do homem.

Diagnóstico da Infertilidade Masculina

A maioria dos homens descobre seu problema de fertilidade no momento que deseja engravidar. Contanto, é recomendado, que antes mesmo deste período, de forma preventiva, o indivíduo procure o seu Urologista para investigação de sua capacidade fértil. Na consulta ao Urologista, o médico investigará o histórico do paciente, dados clínicos, exame físico e solicitará o espermograma. Este exame é capaz de contabiliza a quantidade de espermatozóides presente no sêmen.

Tratamento da Infertilidade Masculina

Existem diversos tratamentos possíveis, de acordo com a causa diagnosticada.

Muitas vezes, a infertilidade por ser revertida de forma simples, como é o caso da varicocele, em que o profissional ataca diretamente a causa, com a realização de uma simples cirurgia. As disfunções hormonais e problemas infecciosos também são corrigidos clinicamente.

Nem todo casal infértil passará por tratamentos complexos de reprodução assistida como a inseminação artificial ou a fertilização in vitro (FIV). Geralmente, estas são as opções adotadas nos casos de desconhecimento da causa da infertilidade.

Se você deseja engravidar e está encontrando dificuldades, consulte um especialista.

Para agendar uma consulta com o Dr. Felipe Delgado, clique aqui.